Campanha agrícola: Agricultores de São Domingos começam a preparar terreno à espera das chuvas

Cidade da Praia, 28 Jul (Inforpress) – Os agricultores de São Domingos, interior da ilha de Santiago, já começaram a preparar o terreno e dizem-se esperançosos de um bom ano agrícola, após as dificuldades no ano de seca de 2017.

Em conversa com a Inforpress, o agricultor Francisco Borges afirmou que já preparou o seu terreno, mas por causa da seca este não fez stock de sementes nem de pasto para os animais. Mas vai ter que fazer um esforço financeiro para comprar sementes.

“O terreno está tudo preparado. Mas terei que comprar sementes, embora este ano tudo esteja mais caro por causa da seca” do ano passado, disse Francisco Borges, adiantando que só um “litro de milho para sementeira custa 160 escusos.”

Por causa desta subida de preço, Francisco acredita que nem todos os agricultores vão conseguir cultivar toda a extensão dos seus terrenos, mas estar esperançado de que a chuva caia para garantir a produtividade, mesmo nas pequenas parcelas.

“Se chover lanço as sementes a 19 de Agosto, como faço todos os anos”, afiançou.

A agricultora Adelina Mendes Varela (Giniba), por seu turno, garantiu que o seu terreno já está pronto, mas que não há sementes. A alternativa, acrescentou, é esperar pela delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA), não lhe faltado ter fé de que este ano será melhor.

“No ano passado não choveu, mesmo assim temos fé. Não podemos desconfiar de Deus e temos de ter esperanças”, sustentou.

Emanuel Rodrigo (Nhu Manu) também coloca todas as expectativas na ajuda da delegação do MAA, afirmando que apesar do início dos trabalhos de limpeza dos terrenos “alguns agricultores ainda estão à espera de sementes”.

Mesmo assim, disse, os homens do campo, mantém-se confiantes num bom ano agrícola.

Sobre a expectativa dos agricultores, o delegado do Ministério da Agricultura, Hermelindo Barros, informou que já fizeram um levantamento dos fornecedores e que há um tock de sementes disponível que está ser distribuído paulatinamente em São Domingos, Praia e Ribeira Grande de Santiago.

No entanto, reconhece que algum atraso na elaboração das listas dos beneficiários acabou por retardar o processo.

“Fizemos um intercâmbio de ideias e escolhemos as pessoas beneficiárias. Ainda estamos a recolher listas e a escolher as pessoas. Em algumas zonas mais altas, as pessoas já estão a abrir covas, a preparar terreno para prevenir de ataques de galinhas de mato e macacos,” adiantou.

Só para São Domingos, segundo Hermelindo Barros, a delegação vai distribuir cerca de 3852 quilos de milho, 1193 quilos de feijão. Já na Praia, serão distribuídos 2023 quilos de milho, 347 quilos de feijão pedra 347.

CD//JMV
Inforpress/Fim