Inicio Cooperação Absentismo e alcoolismo estão a minar a situação laboral nas Ilhas de...

Absentismo e alcoolismo estão a minar a situação laboral nas Ilhas de Santo Antão e Vicente – UNTC-CS

Cidade da Praia, 08 (Set (Inforpress) – O absentismo e o alcoolismo “estão a minar a situação laboral” nas ilhas de Santo Antão e Vicente, afirmou hoje a secretária-geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde (UNTC-CS), Joaquina Almeida.

A constatação foi feita em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, onde a sindicalista fez  o balanço de uma visita de três dias que realizou às ilhas de Santo Antão e São Vicente, mantendo contactos com os trabalhadores e empregadores de algumas empresas.

A sindicalista informou que em São Vicente esteve em conversa aberta com os trabalhadores da Câmara Municipal, da Frescomar, da Cabnave e os Armadores de Pesca.

Já em Santo Antão, levou a cabo contactos com trabalhadores dos mais diversos serviços sediados em Ribeira Grande, destacando-se os da edilidade, da Polícia, da educação, da Cruz Vermelha e dos sectores da saúde.

“Foi uma visita muito produtiva e nessas ilhas encontramos problemas como o absentismo e o alcoolismo e tivemos que chamar a atenção pelo cumprimento dos deveres laborais, porque o Código Laboral demonstra claramente que existe o caminho dos direitos e dos deveres”, realçou.

Daí a preocupação da nova liderança da UNTC-CS em alertar os trabalhadores sobre os deveres laborais que estão a ser decorados, designadamente, a postura, a ética e a responsabilidade, disse Joaquina Almeida., sublinhando que essa nova postura tem como finalidade tornar menos frequente, eventuais crispações e reclamações entre o trabalhador e patronado.

No que concerne às preocupações dos trabalhadores, Joaquina Almeida, disse que não “foge a regra” à situação reinante nas restantes ilhas, com os trabalhadores a reclamarem o custo de vida e a reposição do poder de compra.

“De uma maneira geral, a situação laboral dessas duas ilhas não foge à regra, particularmente aqui em Santiago, onde os trabalhadores exigem a reposição do poder de compra”, frisou, garantindo que a UNTC-CS está pronta para, em concertação com o Governo, dialogar sobre a reposição do poder de compra dos trabalhadores cabo-verdianos.

Joaquina Almeida lembrou, no entanto, que a última actualização salarial foi em 2011, num valor de 1,75 por cento.

Nestas visitas a secretária geral da UNTC-CS fez-se acompanhar do sociólogo Henrique Varela e da vice-presidente da Comissão de Mulheres Sindicalistas da UNTC-CS de São Vicente, Albertina Ferreira.

OM/FP

Inforpress/Fim