Abílio Duarte foi um homem comprometido com Cabo Verde e sua memória merece ser preservada – Pedro Pires

Cidade da Praia, 20 Ago (Inforpress) – O presidente da Fundação Amílcar Cabral (FAC) qualificou Abílio Duarte como um homem comprometido com o seu país e com o processo de libertação, afirmação e construção de um Estado soberano, apelando a valorização e preservação da sua memória.

Pedro Pires fez estas declarações à Inforpress, quando falava sobre o aniversário do falecimento do primeiro presidente da Assembleia Nacional de Cabo Verde independente, Abílio Duarte, que faleceu a 20 de Agosto de 1996.

No dia que completa 22 anos do passamento de Abílio Duarte, o presidente da FAC caracterizou-o como uma “pessoa apaixonada por Cabo Verde” que deu tudo de si em prol da independência nacional e de um Cabo Verde mais justo.

“Foi uma pessoa coerente e comprometida com o seu processo de libertação e construção de um Cabo Verde melhor, uma pessoa apaixonada pelas suas ideias, um companheiro e um patriota muito sincero e honesto que merece o nosso respeito e a sua lembrança merece o nosso carinho”, lembrou.

Conforme avançou Pedro Pires, a Fundação Amílcar Cabral à semelhança do Simpósio Aristides Pereira, realizado em 2017, pretende promover mais simpósios visando homenagear não só a memória de Abílio Duarte como também de todos as personalidades cabo-verdianas que, no seu entender, foram relevantes na luta pela independência e no lançamento de consolidação das bases do Estado soberano de Cabo Verde.

Pedro Pires lamentou, no entanto, que não se tem feito o necessário na valorização daqueles que, conforme referiu, sonharam com Cabo Verde independente e sonharam com a realização desse sonho, que no seu entender, tornou-se realidade graças ao sacrifício de todos aqueles que deram sua vida pela independência nacional.

“Os nossos combatentes deviam ser melhor lembrados e Cabo Verde é um estado soberano, os cabo-verdianos devem se orgulhar desse facto histórico e lembrar e homenagear as pessoas que realizaram um sonho e que se sacrificaram pela independência nacional e, relativamente ao Abílio, penso que temos para com ele uma dívida e acho que se podia fazer muito mais por ele”, sublinhou.

Defendeu, por outro lado, que as toponímias das cidades cabo-verdianas, no geral, e da Cidade da Praia, em particular, deviam dedicar atenção precisamente às pessoas que deram o seu contributo no processo da luta de libertação nacional.

“Alguns defendem que é difícil fazer história com seus actores principais ainda vivos, parece que há um conflito nesse aspecto, mas a historia é historia, seus actores são seus actores não podemos substitui-los por outros, de modo que compete a educação, aos investigadores, aqueles que preocupam com o futuro de Cabo Verde, conhecer o passado da nossa história”, concluiu.

Abílio Augusto Monteiro Duarte nasceu na Cidade da Praia, Ilha de Santiago, a 16 de Fevereiro de 1931.

A 5 de Julho de 1975, em nome do Povo de Cabo Verde e em representação da Assembleia Nacional Popular, proclama solenemente a República de Cabo Verde como nação soberana e independente.

No momento da constituição do Governo da República de Cabo Verde é escolhido para desempenhar o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros, que desempenhou até 15 de Dezembro de 1980.

No III congresso do PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde), em Novembro de 1977, é reeleito membro do Conselho Superior de Luta e do Comité Executivo da Luta e eleito membro da Comissão Permanente do Comité Executivo da Luta, tendo em 1980 sido reeleito deputado à Assembleia Nacional Popular.

No I Congresso do PAICV (Partido Africano da Independência de Cabo Verde), em Janeiro de 1981, é eleito membro do Conselho Nacional de Cabo Verde, e durante o Congresso, membro da Comissão Política e do Secretariado do Conselho Nacional do PAICV e reeleito presidente da Assembleia Nacional Popular, a 12 de Fevereiro de 1981.

Em 7 de Dezembro de 1985 é reeleito deputado à Assembleia Nacional Popular, a 13 de Janeiro de 1986 é reeleito presidente da Assembleia Nacional Popular.

Abílio Duarte faleceu no dia 20 de Agosto de 1996, em Portugal.

Em 2009, Governo de Cabo Verde instituiu oficialmente o “Dia do Diplomata Cabo-verdiano”, que passa a ser celebrado todos os anos e a cada 16 de Fevereiro, dia do nascimento de Abílio Duarte, que foi combatente da liberdade da Pátria e primeiro titular da pasta dos Negócios Estrangeiros do Cabo Verde Independente.

CM/CP

Inforpress/Fim