“A TACV devia ser privatizada ontem” – ministro das Finanças

Cidade da Praia, 07 Jul (Inforpress) – O ministro das Finanças considerou sexta-feira, na cidade da Praia, que a TACV internacional já deveria estar privatizada, mas afirmou que o Governo tem trabalhado para concluir este processo “importante para a economia de Cabo Verde”.

Olavo Correia fez estas declarações durante a apresentação do relatório da visita de cinco dias do Grupo de Apoio Orçamental (GAO) a Cabo Verde para avaliação conjunta com o Governo e outros representantes internacionais.

“O processo já começou nos termos da lei, com a avaliação da empresa e temos um cronograma para receber uma proposta técnica e financeira”, disse o governante, que frisou que é necessário “obedecer um conjunto de procedimentos” que constam da lei e que “devem ser respeitados”.

Correia avançou ainda que o Governo está a trabalhar para que tenha concluído o processo da privatização da TACV internacional “o mais rapidamente possível”.

“Para mim seria ontem. Estamos a trabalhar para que tenhamos esse processo concluído, pelos riscos que ela representa para o Estado, mas também pela importância que tem para a economia cabo-verdiana (…) é uma questão de urgência”, afirmou Olavo Correia, completando que não depende apenas do Governo, mas sim do mercado e da resposta de parceiros e investidores.

Para Olavo Correia, a privatização da TACV internacional “não é um processo fácil”.

“É um processo que comporta riscos. É uma questão estratégica e que, no fundo, exige de todos nós sentido de responsabilidade para que a solução seja uma solução boa par ao nosso país”, completou.

Em relação aos transportes internos, Olavo Correia disse que o mercado está aberto para quem quiser apostar neste sector, desde que reúna as condições e seja autorizado pela autoridade de aeronáutica civil.

“Nós temos um serviço que está sendo prestado por uma empresa, mas o mercado está aberto. O Governo está a trabalhar para que haja outros operadores no mercado. Tem havido manifestação de interesse por parte de investidores para entrar no mercado de transportes domésticos”, declarou Olavo Correia, sem avançar mais detalhes.

GSF/AA

Inforpress/Fim