Ministro dos Negócios Estrangeiros e da Defesa vai à Espanha reforçar cooperação técnica e militar

Cidade da Praia, 24 Mar (Inforpress) – O ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros e Comunidades e ministro da Defesa desloca-se “proximamente” à Espanha, a convite das autoridades espanholas, para aprofundar a cooperação nas áreas técnica e militar.

O anúncio foi feito por Luís Filipe Tavares, em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, que teve como propósito abordar as decisões tomadas na reunião de Conselho de Ministros desta quinta-feira.

“Vou visitar a Espanha, proximamente, para ter um encontro de trabalho com os dois ministros (da Defesa e dos Negócios Estrangeiros) para aprofundarmos essa relação de cooperação nas áreas técnico e militar, que são excelentes”, disse o ministro sem, no entanto, indicar uma data para a deslocação.

Luís Filipe Tavares lembrou que recentemente, Cabo Verde teve uma “grande operação” de formação e treinamento da sua Unidade de Operações Especiais das Forças Armadas com a Espanha.

No âmbito desta cooperação, o Conselho de Ministros aprovou a ratificação dos acordos militares que o país estabeleceu há alguns anos, mas também com a China, dois parceiros importantes” para Cabo Verde, que depois vão subir ao Parlamento e, posteriormente, ao Presidente da República, para os efeitos convenientes, conforme Luís Filipe Tavares.

A proposta de resolução que aprova, para ratificação, o Acordo de Cooperação Militar entre o Ministério da Defesa Nacional de Cabo Verde e o Ministério da Defesa Nacional da China, adoptado em Beijing, em Setembro de 2007, foi um dos documentos aprovados.

Da mesma forma, foi também aprovado a proposta de resolução que aprova, para ratificação, o Protoloco de Cooperação entre o Ministério da Defesa do Reino de Espanha e o Ministério da Defesa de Cabo Verde, adoptado em Madrid, em Março de 2006.

“São acordos importantes que permitem fazermos uma programação dos exercícios militares, treinos e formação ao longo de todo o ano”, indicou o ministro, apontando que com a China o país tem um “grande programa” na vertente da segurança que tem um custo global de cerca de 24 milhões de dólares, que está a ser gerido pelo Ministério da Administração Interna (MAI).

Segundo o governante, é um programa que está na sua fase de concepção e arranque, que vai abarcar a problemática das comunicações de uma forma geral, ou seja, não só militares, mas também civis, acreditando que entre o final do ano e início do próximo ano estará em funcionamento como forma de “garantir mais segurança” à população.

De acordo com Luís Filipe Tavares, Cabo Verde tem vários acordos pendentes que devem ser aprovados para serem implementados na sua plenitude.

O governante aproveitou para agradecer a China e a Espanha pelos apoios que têm dado a Cabo Verde na área militar, sendo que nesta área, o país tem acordos com Portugal, França e Estados Unidos.

DR/CP

Inforpress/Fim